gestão de transporte

A gestão de transporte, um subconjunto do gerenciamento da cadeia de suprimentos (SCM) que lida com o planejamento, execução e otimização dos movimentos físicos de mercadorias, influencia nos custos de entrega.

Por isso, ela precisa ser bem estruturada e permitir fácil administração e otimização das diárias de frotas, entre outras rotinas. E isso deve ser feito com ferramentas tecnológicas e métodos que permitam total controle, evitando surpresas que interfiram negativamente nas finanças do negócio.

Neste artigo, trazemos uma reflexão acerca de como a gestão de transporte bem realizada evita a elevação dos custos de entrega. Acompanhe.

A relação da gestão de transporte com o custo de entrega

Os custos de entrega são a somatória de todos os gastos que a empresa tem desde a retirada da mercadoria de seu armazém até o momento em que o cliente a recebe. Na maioria dos casos, eles são compostos por equipe, energia elétrica, recursos de tecnologia, equipamentos, frete, entre outros.

Muitas empresas não fazem a relação do transporte com o custo de entrega, mas isso é muito importante, pois um transporte caro acaba elevando os gastos com o atendimento do pedido dos clientes.

A própria logística de transporte, quando não realizada de maneira estratégica, com mapeamento de custos para reduzi-los sem perda de qualidade, acaba tornando as entregas mais caras. E esse descuido pode diminuir as margens de lucro ou obrigar a organização a elevar os valores do frete, por exemplo, causando insatisfação no cliente e gerando oportunidades para que a concorrência ganhe espaço.

Muitas vezes, o problema está no modal de transporte escolhido. Quando o perfil da mercadoria não é aderente ao tipo de transporte utilizado, os gastos podem ser grandes. Por exemplo, uma empresa que vende maquinários pesados vai ter muito mais custos se transportar por caminhos do que se o fizer por transporte marítimo — manutenção dos automóveis, preços de frete etc.

A boa gestão de transporte, por outro lado, é aquela que é capaz de aliar a rapidez e a segurança das cargas com um custo mínimo. Não é preciso fazer malabarismos para isso, basta que tudo seja planejado com antecedência — o que permite testes, por exemplo — e mensuração constante de resultados.

Confira também as nossas dicas em vídeo:

As melhorias na gestão de transporte que podem reduzir o custo de entrega

Confira, a seguir, uma série de boas práticas de gestão de transporte que permitem a redução nos custos de entrega.

1- Escolha o modal de transporte adequado

A escolha do tipo de transporte adequado envolve questões como agilidade, segurança na operação e custos. O equilíbrio destes três fatores pode determinar a garantia de alta qualidade sem elevação dos gastos.

E isso é especialmente importante para as empresas que terceirizam suas operações de transporte, uma vez que os fornecedores podem aproveitar a falta de conhecimento dos gestores para cobrar valores de frete acima do “justo”.

2- Garanta boas negociações com transportadoras

Ainda falando de terceirização de transporte, é fundamental conseguir boas negociações com as transportadoras. Antes de contratar um serviço, é aconselhável, por exemplo, abrir uma RFP, ou seja, um convite de apresentação de proposta comercial.

Isso pode ajudar a evitar o fechamento de contrato sem um profundo conhecimento acerca do fornecedor.

Ao avaliar diversos concorrentes, a empresa pode verificar a média de preços praticada e escolher aquele que ofereça melhor custo/benefício. Depois de garantir uma boa escolha, é possível fazer acordos de níveis de serviços (SLAs) que resguardem a empresa em diversas frentes, inclusive nos custos de entrega.

3- Crie indicadores e métricas para o monitoramento de transporte

Com o tempo, os custos de transporte podem variar, fazendo com que os custos de entrega também oscilem. Eles dependem do tanto de mercadoria enviada, das regiões atendidas, da urgência das entregas, entre outros fatores.

Por isso, é fundamental que os gestores de transportes tenham indicadores e métricas bem definidas para monitoramento. Com parâmetros bem claros, fica mais fácil identificar variações que podem elevar os custos, e o tratamento delas poderá ser feito em tempo hábil.

4- Insira a tecnologia na sua gestão de transporte

A boa notícia é que, hoje, a gestão de transporte pode ser feita de uma maneira muito mais simples por meio da tecnologia.

Com um bom sistema de gestão logística, por exemplo, é possível controlar questões como consumo de combustível e manutenção de frota, planejamento de cargas e rotas, roteirização de entregas, entre outras.

Ao inserir a tecnologia na gestão de transporte, a empresa garante que seus colaboradores vão seguir processos bem definidos e terão mais tempo para se dedicar a uma atuação mais analítica e estratégica e menos operacional.

Que tal, a gestão de transporte da sua empresa contempla o tratamento adequado dos custos de entrega? O que você achou da reflexão que trouxemos neste texto? Deixe seu comentário e até a próxima!