Distribuição logística: como estrutura o fluxo produtivo

Em vez de ler, que tal ouvir o artigo? Experimente no player abaixo:

É comum encontrarmos problemas com as entregas quando analisamos a distribuição logística das empresas. Os motivos são variados, mas todos podem ser evitados para que o processo se torne mais eficiente.

Seja por falhas na gestão de entradas e saídas de mercadorias ou falta de monitoramento e controle de devoluções, a entrega engloba diversos desafios que podem ser superados.

De acordo com o que se considera um processo de entrega eficiente — aquele que busca sempre a redução de tempo nas rotas, o controle dos motoristas e a roteirização inteligente —, listamos as características que sua empresa deve perseguir se quiser ter sucesso nessa etapa.

Confira, a seguir!

O que é distribuição logística?

A distribuição logística é responsável pela entrega final feita para o cliente. Ou seja, trata-se de uma atividade que engloba todos os processos necessários para separar os produtos em estoque, organizá-los e entregá-los ao consumidor, ou ao varejista, no caso do atacado distribuidor.

Diferente dos processos de logística internos, a de distribuição possui um contato direto com o cliente – impactando na satisfação dos consumidores. O prazo de entrega, a integridade dos produtos e o momento da entrega do produto nas mãos do cliente compõem a experiência fornecida pela sua empresa.

Imagine que você compre um produto em uma loja virtual. A expectativa é sempre receber o produto em sua casa dentro do prazo prometido e em boas condições, certo? Do outro lado dessa relação, está o processo de distribuição logística – que reúne os esforços para que isso realmente aconteça na prática.

Fluxo ideal da distribuição logística

A logística de distribuição é composta de diversas rotinas, que formam um fluxo de processos. Veja quais são as etapas que formam um fluxo ideal:

1. Compra das mercadorias

Todo o processo inicia com a compra de mercadorias de uma indústria. Ou, para as indústrias, com a produção das mercadorias. Esse é o passo inicial para compor um estoque capaz de atender aos pedidos que serão realizados pelos consumidores.

2. Armazenagem das mercadorias

Com as mercadorias prontas dentro da sua empresa, é preciso armazená-las corretamente até o momento em que elas serão movidas novamente. Para isso, você pode seguir algumas boas práticas de organização do armazém:

  • Planeje o local de armazenamento das mercadorias com sabedoria – considerando as características físicas (tamanho, peso, formato) e o giro de estoque de cada produto.
  • Adote uma codificação por cores para facilitar a identificação das áreas destinadas para cada mercadoria.
  • Mantenha os produtos mais vendidos próximos das áreas de embalagem e envio – diminuindo a necessidade de movimentação dessas mercadorias dentro da empresa.
  • Crie um sistema eficiente de classificação dos produtos para facilitar a sua organização e o processo de busca.
  • Faça uso do espaço vertical do seu armazém para aumentar a capacidade de armazenamento.
  • Tenha uma área destinada para os equipamentos (como empilhadeiras e carrinhos de coleta) para que eles não atrapalhem quando não estiverem em uso.

3. Recebimento de pedido

Você fechou uma venda? Ótimo! Agora é o momento de processar o pedido e organizar as mercadorias para o envio. Quanto mais rápido for esse processamento, antes você conseguirá enviar o pedido do seu cliente.

4. Separação

É nesse momento que ocorre a separação dos itens do pedido recebido – que podem incluir vários produtos espalhados por locais diferentes do armazém. Se você possui um sistema de armazenamento organizado, torna-se mais rápido e simples separar os produtos corretos.

5. Roteirização das cargas

Esse processo é baseado na criação da rota dos pedidos separados de acordo com os trajetos, posição dos clientes, uso do espaço do veículo, economia de combustível, entre outros fatores. Trata-se de uma atividade fundamental para minimizar os custos da distribuição logística e garantir uma entrega no menor tempo possível.

6. Montagem da carga

Com os produtos separados e as rotas planejadas, você está pronto para montar a carga. Ou seja, é o momento de organizar os pedidos que vão no caminhão e prepará-lo para que possa sair da empresa em direção os clientes.

7. Entrega das mercadorias nos clientes

Seguindo o roteiro traçado, as mercadorias são entregues aos clientes. Se todo o processo de distribuição logística funcionar com eficiência, os produtos serão entregues dentro do prazo combinado e em ótimas condições.

8. Retorno para o armazém

Por fim, ainda pode haver a necessidade de alguma devolução – como itens que foram errados ou estão com avaria. Nesse caso, será necessário levar os produtos de volta para a sua empresa.

→ Aprenda mais sobre logística de transporte em nosso podcast! Escute abaixo.

O que fazer para melhorar o fluxo de distribuição logística mais produtivo?

Agora que você já conhece o fluxo ideal de processos, veremos uma série de dicas que podem ajudá-lo a melhorar a distribuição logística na sua empresa. Veja quais são elas:

1. Melhore a gestão de entregas com uma visão por níveis e em tempo real

gestão da entrega deve ser focada na responsabilidade específica de cada um dos níveis. Ou seja, se para o dono da empresa é importante saber das entregas que estão no prazo estabelecido e sem ocorrências, para o gerente de logística é mais importante o acompanhamento em tempo real da evolução das entregas de cada motorista.

Essa visão geral por nível ajuda na tomada de decisões mais rápida e efetiva. A visualização do status da entrega, atrasos, paradas não programadas e até devolução de mercadoria podem munir a central com informações para atuar e reverter os problemas rapidamente.

Na distribuição logística, temos três níveis principais que enxergam a operação de um ângulo diferente, e por isso necessitam de dados distintos. São eles:

1º Estratégico

  • Informações com conceitos de OTIF, indicador de desempenho usado para monitorar a qualidade de entrega de produtos e serviços;
  • Indicador de quantidade, valor, peso e clientes envolvidos em devoluções;
  • Entregas já efetuadas;
  • Informações de produtividade e o tempo médio de entrega (SLA e TMA).

2º Tático operacional

  • Visão de todas as fases dos pedidos, com informações de quantidade de pedidos, valor, peso, cubagem, clientes envolvidos em cada etapa do processo;
  • Acompanhamento em tempo real da evolução das entregas de cada motorista;
  • Análise de status dos pedidos por período.

3º Operacional

  • Listagem dos clientes;
  • Quantidade de notas;
  • Valor e tempo de atraso das entregas que estão com o SLA estourado.

2. Agilize as entregas com a roteirização das cargas

Para que uma entrega seja, no mínimo, satisfatória, os produtos corretos devem ser entregues no prazo e em perfeito estado. Por isso, entregar mais rápido e em rotas bem definidas é um diferencial para qualquer distribuidora, já que, assim, é possível manter seus preços competitivos e conquistar mais clientes.

E entregar mais rápido exige uma otimização do processo, que inclui a roteirização de entregas inteligente. Ela nada mais é que um itinerário ou roteiro que tem por objetivo a redução do tempo, da distância percorrida e dos custos operacionais logísticos.

Embora há quem faça esse roteiro manualmente, um sistema roteirizador pode facilitar e melhorar bastante sua elaboração. Em vez de passar horas montando um “quebra-cabeças” para encaixar todas as entregas, o gestor pode utilizar um sistema que consiga otimizar a programação delas, levando em conta informações relevantes para o negócio, como os locais de destino e a distância entre cada um.

3. Aumente o controle das devoluções para evitar prejuízos

Quando um varejista recusa uma entrega, o prejuízo pode ir além do financeiro, por isso, o ideal é evitar que os produtos retornem ao centro de distribuição. Para diminuir as chances de devolução de mercadoria, é preciso ter um controle e uma política de devoluções eficazes.

Sua equipe deve saber o que fazer caso encontre alguma avaria no lote (embalagens rompidas ou faltantes, por exemplo) ou quando o varejista recusa a mercadoria por outro motivo. Também é recomendado que a equipe aponte a devolução no momento em que ela está acontecendo, para que o gestor consiga atuar simultaneamente e negociar a fim de reverter a situação.

Quais são os desafios a serem vencidos para tornar a distribuição logística mais eficiente?

A gestão logística é uma parte da gestão da cadeia de suprimentos cuja função é planejar, implementar e controlar o fluxo e o armazenamento de mercadorias para atender às necessidades do cliente.

O gerenciamento efetivo de logística é um fator básico no sucesso das operações de qualquer empresa, e tem um impacto direto em seus resultados. À medida que o volume de carga cresce e o transporte se torna mais complicado, a necessidade de aprimorar os processos envolvidos aumenta significativamente.

No setor de distribuição, uma boa gestão logística é fundamental, pois o fluxo de trabalho é grande e contínuo, o que torna a necessidade de um controle mais efetivo um desafio constante.

Os gestores desse segmento estão o tempo todo sob pressão para equilibrar entre o controle de custos e a eficiência nas entregas aos clientes, bem como precisam otimizar a carga de trabalho dos colaboradores e acompanhar métricas e indicadores de desempenho.

A boa notícia é que a tecnologia tem ajudado as empresas do ramo a simplificar sua gestão logística. Já há no mercado inúmeras ferramentas que absorvem a maior parte das rotinas burocráticas e liberam tempo para que gestores, analistas, assistentes e até operadores possam ter uma atuação mais estratégica e analítica.

É por isso que cresce a cada dia o número de empresas que optam pela automatização de processos. Elas estão em busca da diminuição dos erros humanos, da padronização de atividades e da elevação de seus resultados operacionais e mercadológicos.

Se olhamos para os processos que envolvem o controle das entregas, por exemplo, tão importante no dia a dia das empresas de distribuição, vemos que o desafio é ainda maior. Entretanto, com base nas práticas que vimos ao longo deste artigo e um bom uso das ferramentas tecnológicas que estão à disposição, você pode tornar os processos de distribuição logística mais simples e efetivos.

Conclusão: a gestão da distribuição logística já é vista como um valor para o negócio?

Como você viu até aqui, a distribuição logística é uma cadeia complexa, mas que pode ser monitorada, mensurada e, por isso, melhorada. O processo de entrega faz parte dessa cadeia e tem papel importante no todo.

Atender a demanda do cliente e fornecer um serviço superior é um dos benefícios mais importantes do bom gerenciamento de logística. Os consumidores exigem uma melhor entrega, e isso tem efeitos ondulatórios na cadeia de fornecimento, criando a necessidade de os expedidores prestarem um serviço rápido, preciso e de qualidade. Nesse sentido, a gestão de logística é responsável por satisfazer as demandas dos clientes.

O gerenciamento eficiente da logística de distribuição também é importante para criar visibilidade na cadeia de suprimentos da empresa. Ele impulsiona o aumento de receita à medida em que proporciona um atendimento aprimorado ao cliente, o que pode trazer uma boa reputação à marca e gerar mais negócios, ao mesmo tempo em que cria oportunidades para reduzir os custos nas operações.

Assim, é correto afirmarmos que a boa gestão da distribuição logística dará à sua empresa o controle sobre o frete de entrada, manterá os estoques em bons níveis, organizará o fluxo reverso de mercadorias e utilizará os movimentos de frete nos modos de transporte adequados — que podem reduzir custos significativamente.

Como está a gestão da distribuição logística no seu empreendimento? Gostou das nossas dicas? Conte pra gente pelos comentários e até a próxima!