Logística lean no atacado distribuidor
Em vez de ler, que tal ouvir o artigo? Experimente no player abaixo:

Hoje, a Logística Lean é usada em muitos setores. Ela é baseada no conceito original de Lean aplicado na manufatura, que teve início na indústria manufatureira japonesa.

Embora haja momentos em que a Logística Lean e o Lean na indústria sejam usados de forma intercambiável, esse nem sempre é o caso.

As operações logísticas são uma implementação ou organização detalhada de natureza complexa. Portanto, em vez de ser uma estratégia enxuta genérica, que pode ser quase tudo o que é feito para eliminar o desperdício, a Logística Lean se refere a tarefas mais complexas.

Pode ser um processo armazenamento, remessa ou qualquer outra coisa. Os conceitos por trás da Logística Lean são usados de várias maneiras, em diversos setores. Quando feitos corretamente, eles ajudam a eliminar o desperdício, melhorar a segurança e aumentar os resultados da empresa que segue os princípios enxutos.

Mas como? Continue lendo e descubra tudo que você precisa saber sobre o assunto!

O que é Logística Lean?

No cenário econômico atual, toda empresa está fazendo cortes e buscando obter uma sólida vantagem competitiva em relação aos concorrentes. Reduzir o tempo, os custos e o estoque é o que parece surgir como necessidade para as empresas conseguirem o máximo sucesso.

A logística aparece como um componente essencial em qualquer configuração de negócios, manufatura ou produção. É a parte da cadeia de suprimentos em que todo o planejamento, implementação, monitoramento e controle ocorrem para aperfeiçoar o ritmo do fluxo de produtos e mercadorias – seja o fluxo direto ou reverso desses bens, produtos e serviços, desde o ponto de origem dessas entidades até o de consumo, ou seja, os clientes.

A Logística Lean pode ser descrita como uma maneira eficiente de reconhecer e eliminar atividades que são desperdiçadas na cadeia de suprimentos, de modo a aumentar o fluxo do produto e a velocidade com que ele é transportado.

Cada passo dado na Logística Lean visa fazer a separação qualitativa das tarefas entre aquelas que geram valor e que não geram na cadeia de suprimentos, com o objetivo de eliminar todas do segundo grupo. Reduzir o desperdício com atividades que não agregam ao processo é a base do pensamento Lean, como mostraremos a seguir.

Reduza custos com a logística de entrega

Qual a base do pensamento Lean?

Os conceitos da Logística Lean estão profundamente enraizados na fabricação enxuta do Sistema Toyota de Produção, em que surgiu pela primeira vez.

Na sua forma mais pura, o Lean trata da eliminação de desperdícios e do aumento da velocidade e do fluxo. Embora isso possa parecer uma simplificação excessiva, o objetivo final do Lean é eliminar o desperdício de todos os processos.

No topo da lista de resíduos conhecidos, de acordo com a teoria Lean, está a eliminação do estoque – mais exatamente, qualquer inventário que não seja imediatamente necessário deve ser eliminado.

O impacto do Lean na logística é significativo, pois o objetivo é eliminar o desperdício (inventário), o que, por sua vez, reduzirá os tempos do processo e do ciclo e, finalmente, aumentará a velocidade e o fluxo da cadeia de suprimentos.

O Lean também possui um elemento cultural vital, e que é crucial para a logística: o conceito de “custo total”. O profissional Lean não se concentra em fatores de custo individuais, como transporte ou armazenamento, mas sim no “custo total de propriedade”.

Com os custos de transporte de estoque representando de 15 a 40% dos custos totais de logística para muitas empresas, a tomada de decisões com essa base tem fortes implicações para a logística.

Infelizmente, porém, muitas organizações nunca adotam totalmente os conceitos de custo total, pois decisões ruins são tomadas continuamente com base em fatores de custo tradicionalmente visíveis, como transporte, armazenamento e práticas inadequadas de fornecimento.

→ Ouça nosso podcast sobre WMS e saiba mais sobre gestão de inventário!

Como aplicar a Logística Lean?

Ao fazer alterações para ajudar a reduzir o desperdício ou aumentar a eficiência, é importante seguir os processos padrões. Eles envolvem identificar o status atual, fazer as melhorias desejadas, medir e analisar os resultados e verificar se foram eficazes.

A implementação da Logística Lean é uma das melhores maneiras de reduzir o desperdício e o custo geral das operações. Há muitos pontos em que podem existir resíduos, como:

  • Inventário – as empresas devem procurar manter o inventário no mínimo o tempo todo. Ter apenas o suficiente para atender às demandas dos clientes reduzirá o excesso de despesas relacionadas ao armazenamento dos itens, bem como o risco de danificá-los;
  • Armazenagem – os produtos de armazenagem são sempre um desperdício, mesmo que algumas vezes sejam inevitáveis. Normalmente, um armazém significa uma parada extra na cadeia de suprimentos enxuta, o que introduz custos e riscos aumentados no processo de vendas;
  • Caminhões – sempre que um produto é carregado em um caminhão, ele cria movimento, que é uma forma de desperdício. Minimizar o número de caminhões ajuda a reduzir esse excesso de movimento e a agilizar o processo de transporte;
  • Transporte – o tempo em que os produtos estão na estrada é outra forma de desperdício, e que deve ser minimizada. A combinação de vários produtos em remessas únicas, com otimização de rotas, também pode ajudar a reduzir esse tempo.
  • Pessoas – há muitas delas envolvidas no processo de embalagem, carregamento e envio. Ao usar a Logística Lean, as pessoas podem ser realocadas para tarefas mais produtivas, e que não produzem desperdício.

→ Você sabe a diferença de WMS e TMS? Entenda como esses sistemas logísticos funcionam no vídeo a seguir.

Lean Thinking: implementando a Logística Lean

O pensamento Lean é exatamente isso: o esforço consciente para examinar com objetividade o local e os processos de trabalho. Os objetivos são procurar desperdício, aumentar a produtividade e diminuir o custo total.

Como parte dessa pesquisa, é preciso procurar evidências de “recursos com restrição de capacidade”, ou gargalos, que limitam a produção, criam inventário ou mão de obra desnecessários ou usam recursos que atrapalham as operações precisas e oportunas.

Para isso, você pode seguir os seguintes passos:

1. Elimine todo o desperdício na cadeia de suprimentos

Criar um fluxo suave de produtos em uma logística enxuta exige que todos os departamentos e funções da organização trabalhem em colaboração. Na cadeia de suprimentos, os resíduos se dividem em:

  • Complexidade do sistema: etapas adicionais, desnecessárias e processos confusos;
  • Tempo de espera: tempos de espera excessivos;
  • Transporte: movimentação desnecessária do produto;
  • Espaço: espaço para armazenamento desnecessário;
  • Estoque: produtos inativos, seja em processo ou acabados;
  • Esforço humano: atividade que não agrega valor;
  • Embalagem: caixas vazias ou que permitem danos.

Dividir o processo em etapas individuais é uma parte importante da identificação e eliminação de resíduos. Também pode ser útil para tomar medidas de melhoria do processo de logística.

2. Considere os avanços da tecnologia para melhorar a cadeia de suprimentos

A seguir, confira os investimentos em tecnologia que devem estar no topo da lista na busca pela Logística Lean:

  • Sistema de Gerenciamento de Transporte (TMS),
  • CRM (Customer Relationship Management);
  • Gerenciamento de pedidos do cliente;
  • Interface eletrônica de dados (EDI);
  • Atendimento omni-channel, RFID;
  • GPS para rastreamento de frete;
  • Soluções em nuvem.

Para gerar mais valor, procure fornecedores de tecnologia no espaço de logística que possam integrar esses sistemas.

3. Reduza o prazo de entrega

Reduzir a logística de transporte de entrada e saída nos aproxima da demanda dos clientes, o que resulta em menor dependência de previsão, maior flexibilidade e menor desperdício.

Ao criar seu plano de vendas, estoque e operações mensalmente ou com mais frequência, convide seus principais fornecedores e clientes para a reunião. Trabalhe em colaboração para reduzir os prazos de entrega e debater como você pode criar uma Logística Lean que agregue valor além das expectativas de seus clientes.

4. Tenha um transporte centrado no cliente

A estratégia de transporte não deve orientar como e quando o produto é entregue. Em vez disso, deve ir além das expectativas do cliente e ser desenvolvida para atendê-las com níveis ideais de estoque.

As táticas de transporte devem suportar estratégias de inventário mínimo. Transportar mais do que os requisitos necessários é um desperdício, e deve ser eliminado. Concentre-se em como o transporte pode ser seu diferencial estratégico na indústria.

→ Em nosso podcast conversamos sobre a área de transporte da cadeia de suprimentos e suas transformações recentes. Confira!

5. Meça o desempenho através de indicadores

O uso de indicadores de métricas-chave, que medem o desempenho dos remetentes e fornecedores de transporte, promove a melhoria contínua diária. Para construir uma Logística Lean, as organizações precisam estabelecer relacionamentos de longo prazo com transportadoras que sejam estáveis, confiáveis ​​e comprometidas com o atendimento à organização.

→ Descubra quais são os principais indicadores para gerenciar sua operação de entregas.

6. Entenda a estrutura de custos de transporte

O custo do transporte é composto por duas áreas distintas: custos unitários e de produtividade. A oportunidade significativa para redução de custos de transporte está nos de produtividade.

Focar nos custos unitários ou nas tarifas de transportadora resultará apenas na criação de instabilidade na rede de transporte. Em vez disso, concentre-se na produtividade: utilização do caminhão, total de quilômetros percorridos, tempo de espera do equipamento (que é um desperdício puro) e no planejamento de rotas inteligentes para os motoristas.

7. Execute gerenciamento diário de eventos de transporte

A redução sustentada de custos não é realizada por meio de designs de redes de transporte pouco frequentes e de RFQs (Request for Quotation – Pedido de Cotação) de transportadoras. A

resulta do gerenciamento diário e disciplinado de eventos e foco de hora em hora na identificação e redução de resíduos.

Todos os dias, comece com um plano de transporte, o execute e verifique as condições reais do dele. Qualquer resíduo detectado precisa ser documentado e seguido da solução de problemas. Crie projetos de rotas diárias, faça o monitoramento de entregas em tempo real, gere métricas e conclua diariamente a solução de problemas. Esse investimento e foco na disciplina do processo é o caminho mais enxuto.

gestão de entregas

Logística Lean e Seis Sigma

O Seis Sigma é outra ferramenta como o Lean, que traz disciplina para a logística. Essas ferramentas, quando usadas em conjunto, podem identificar e lidar com resíduos e outras ineficiências graves em uma organização.

O Seis Sigma é uma metodologia amplamente utilizada para erradicar defeitos, aprimorar processos e minimizar variações em qualquer processo de negócios. O cerne da abordagem se baseia na eliminação de resíduos e, assim, na melhoria da eficiência e qualidade. Ela também busca otimizar e melhorar todos os processos subjacentes.

O Seis Sigma trabalha em um sistema extremamente disciplinado de coleta de dados, e utiliza ferramentas estatísticas melhoradas. Portanto, a abordagem Seis Sigma pode ser muito útil se aplicada à logística, pois ela ajuda a aumentar o nível de satisfação de clientes externos ou internos, o que, por sua vez, resulta em benefício financeiro para a organização.

O Seis Sigma trata de encontrar a raiz das variações e encontrar a solução mais adequada para eliminá-las, de forma que o sistema possa funcionar com “quase zero defeitos”. É uma maneira simples, porém eficaz, estruturada e orientada ao processo de garantir melhorias com uma alocação precisa de responsabilidades e objetivos organizacionais. O Seis Sigma é mais um programa para obter melhorias contínuas por um longo período de tempo.

O Lean Seis-Sigma é eficaz para fazer mudanças efetivas em um processo logístico, o que pode ser realmente desafiador para uma organização. Baseado em uma abordagem disciplinada para o desenvolvimento de uma cultura que facilita a melhoria, permite escolher algumas das melhores soluções possíveis dentre uma infinidade disponível para o mesmo problema.

Ele garante que a decisão certa seja tomada nesse sentido, para que a solução identificada não envolva grandes investimentos ou custos de implementação. Essas soluções também devem ser testadas exaustivamente, e sua eficácia deve ser verificada antes de serem liberadas para implementação.

Para executar todo esse processo de tomada de decisão, a equipe pode ajudar com miniciclos de teste chamados “Planejar, Fazer, Verificar, Agir”, ou PDCA. Isso ajuda a delinear e refinar as ideias durante o processo de coleta de feedback das partes interessadas.

Conclusão

Para que os benefícios da Logística Lean sejam totalmente explorados, o gerenciamento de transporte da organização precisa ser integrado à implementação enxuta.

Como vimos, o transporte pode ser usado como um diferenciador estratégico. E você, já o aplica como esse pilar de negócio no seu atacado distribuidor?

Fabrício Santos

Especialista em Logística em MáximaTech
Especialista em logística para o atacado distribuidor com 14 anos de atuação na área e apaixonado por reduzir o custo logístico dos clientes Máxima.
Fabrício Santos