logística expressa

Em vez de ler, que tal ouvir o artigo?

Com a cultura do baixo estoque solidificada nos últimos anos, o recebimento constante e rápido de mercadorias é uma necessidade palpável. Isso faz com que o conceito de logística expressa ganhe força em muitos segmentos do mercado.

Mas, o que é exatamente logística expressa? O que está por trás dessa “filosofia” que, mesmo que inconscientemente, força os negócios a se adaptarem a ela?

Sobre isso, vamos ajudá-lo a refletir ao longo deste artigo.

Continue lendo para entender o que é logística expressa na prática e quais são suas maiores vantagens para o distribuidor!

→ Antes de prosseguir, que tal relembrar rapidamente o que é Logística 4.0? Este é um conceito muito importante para ter em mente ao falarmos em logística expressa. Veja este vídeo:

O que é logística expressa

A logística expressa, basicamente, garante entregas rápidas, confiáveis, sob demanda aos clientes. Isso sempre respeitando os processos de uma operação logística que, ainda que acelerada, deve ser estratégica.

Esse é um tema estudado por Claudio Fonseca e Claudio da Cunha, do Departamento de Engenharia de Transportes da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (Poli-Usp). Os pesquisadores apontam que a logística expressa teve seu início nos anos 1970, com a necessidade de entregas mais rápidas.

Segundo eles, naquele momento, começou a ser observada uma  “demanda crescente do mercado a oferta de um serviço de transporte rápido porta-a-porta, com tempo de trânsito definido, associado a um elevado nível de serviço e desenvolvido através do emprego de um ou mais modais, normalmente o rodoviário terrestre conjugado com o aéreo”.

É importante pontuar que a logística expressa, marcada pela agilidade, não atropela suas rotinas de rastreamento e controles ao longo da jornada.

Essa prática tem como característica a simplificação e a agilidade no processo de separação de mercadorias, roteirização de entregas, transporte, entre outros.

E isso não pode jamais significar aumento de erros e retrabalhos, pois, sendo assim, tornaria sua verve “expressa” inútil.

Os pesquisadores da Poli-Usp também apontam que “a visão macro da operação pode apresentar um ou mais modais para sua realização”.  E dão detalhes disso: “o rodoviário nas pontas do processo (coleta / entrega) e ainda nas transferências entre localidades e o ponto central de distribuição para curtas distâncias e o aéreo, nas distâncias longas para transferência entre estações”.

→  Baixe o e-book gratuito sobre tendências para a logística e saiba como otimizar seu tempo e reduzir seus custos.

Também não é exagero dizer que a logística expressa, tal qual o mercado exige hoje, só pode existir por conta da utilização estratégica da tecnologia.

Ou seja, trata-se mais do que disponibilizar de serviços de transporte ágeis. Isso porque o acesso às informações é muito importante em uma operação expressa. Estamos falando de informações sobre o andamento das remessas, contato com clientes e operadores logísticos. Também do acompanhamento de métricas e indicadores de desempenho para tomar decisões em tempo hábil.

Em suma, uma estratégia de logística expressa tem como resultado visível o atendimento aos clientes, na entrega, muito mais ágil. Mas isso é só a ponta do iceberg. Há outras camadas que dizem mais respeito às rotinas da operação logística do atacado distribuidor e que devem ser igualmente expressas.

Atualmente, existe todo um mercado de logística expressa. Para termos uma ideia, basta olharmos para o relatório Oxford Economics publicado em 2009. Esse documento, que contém resultados acadêmicos de análise do mercado, já apontava alguns dados interessantes sobre a realidade global desse segmento:

  • 2,75 milhões de empregos;

  • contribuição direta ao PIB mundial de US $ 80 bilhões em 2008;

  • previsão de crescimento de 3% ao ano;

  • previsão de incremento em empregos em até 1,8 milhão de pessoas até 2018.

Logística expressa é diferente de logística flexível

É importante não confundir logística expressa com logística flexível, ainda que em algum momento esses conceitos se cruzem.

A logística flexível tem mais a ver com a maleabilidade do atacadista para fazer adaptações logísticas. Ela é uma espécie de reação ao que acontece no mercado, ou com determinados clientes. Para funcionar, obviamente, precisa ser previamente estruturada; também ter meios, equipamentos e pessoal qualificado.

A logística flexível vai ao encontro da falta de previsibilidade dos consumidores – e é aplicada em frentes como mix de produtos, transporte etc.

Neste artigo, relembre exatamente o que é logística flexível:

→ Dê uma pausa na leitura para ouvir o episódio 14 do MáximaCast. Aqui nossos especialistas debatem desafios e estratégias que funcionam atualmente para a logística de transporte no atacado distribuidor.

Quais são as vantagens da logística expressa

Agora, por que o movimento ascendente da logística expressa tem sido tão grande nos últimos anos? A resposta está ligada aos benefícios que essa estratégia oferece. São vantagens tanto para os atacadistas distribuidores quanto para varejistas — que são percebidos pelo consumidor final.

Confira, a seguir, que vantagens são essas.

Diferenciais competitivos

A logística expressa é um grande diferencial competitivo em um mercado ávido por mais mercadorias entregues em menos tempo. Isso é bem visto por clientes, fornecedores e o mercado em geral.

Olhando com os olhos da equipe, a agilidade nos processos e a produtividade acelerada também oferece benefícios. Bem equipado e treinado, o time produz mais em menos tempo, o que aumenta as margens de lucro do distribuidor. E isso dá aos gestores mais flexibilidade para negociações maiores.

Maior volume de vendas

Ao contar com uma logística expressa, os atacadistas distribuidores têm capacidade para atender a um número maior de clientes. Dessa forma, podem potencializar as ações do time comercial, elevando os números.

Obviamente, isso também dá mais saúde financeira ao negócio, que pode fazer investimentos maiores e obter melhores retornos.

Maior lucratividade

A questão da lucratividade merece um aprofundamento melhor. Ao contar com a logística expressa, o distribuidor torna sua operação mais inteligente. Dessa forma, com processos e custos melhor controlados, sua lucratividade aumenta.

Portanto, não se trata apenas de uma questão de volume de entrada e armazenamento de saída de mercadorias. Também estamos falando de vender mais, entregar mais rápido e ter um lucro maior.

Satisfação do consumidor

O ritmo de vida atual requer agilidade e rapidez – isso sem perder a qualidade. Basta olharmos para o sucesso de empresas como a Amazon, que faz entregas muito rápidas e têm excelente reputação no mercado.

Quando a empresa conta com uma logística expressa, ela não apenas entrega mais rápido. Também consegue manter seus estoques em níveis saudáveis, processa dados e toma decisões mais inteligentes. Isso tudo transborda para a experiência do consumidor, que se torna mais satisfeito e propenso a comprar mais.

→ Leia também: Como otimizar a logística de entrega e fidelizar clientes.

Como estruturar uma estratégia de logística expressa

Não existe uma receita pronta de como montar a estratégia de logística expressa em atacadistas distribuidores. O que há são práticas já testadas e que deram resultados em muitos negócios.

Confira, a seguir, as dicas que compilamos para tornar a operação logística da sua empresa ainda mais ágil e eficiente.

Reveja os atuais processos

Para começar, é interessante fazer o exercício de olhar para os atuais processos da operação logística. Esse olhar deve considerar as seguintes questões: nossos processos são ágeis o suficiente? O que podemos fazer para torná-los mais rápidos e eficientes? Que mudanças devem ser arquitetadas e executadas?

Muitas empresas têm feito esse autoexame com a ajuda de consultorias especializadas. Essa é uma boa ideia, pois, muitas vezes, é difícil fazer a autocrítica necessária. É normal que o cotidiano dificulte uma vista panorâmica e ampla.

Faça benchmarking

Aprender com a experiência de quem já tem uma logística expressa em pleno funcionamento é bastante produtivo. Isso se chama benchmarking, ou seja, troca de experiências.

Busque, em seu mercado, parceiros de negócios, clientes ou fornecedores que trabalham bem o conceito de logística expressa. E solicite a essas empresas a oportunidade de visitá-las e verificar como trabalham.

Logicamente, isso não funciona com concorrentes, mas, no geral, as empresas são abertas a demonstrar suas descobertas.

Melhore os controles

Em seguida, você verá que muitos controles da operação logística vão precisar ser melhorados. Isso vai desde a questão da roteirização de entregas e recebimentos até o atendimento ao cliente. Logo, não se trata de envolver apenas uma equipe.

Verifique de que maneira as equipes fazem apontamentos de seu dia a dia, que dados são guardados e como essas informações podem ser úteis para a estratégia de logística expressa.

A ideia, aqui, é inserir mais camadas de inteligência na maneira como a empresa controla custos, processos, desempenho de equipe, satisfação de clientes, relacionamento com fornecedores e parceiros etc.

Invista em tecnologia

Você também vai perceber que não existe logística impressa sem investir em tecnologia. Para colocar essa nova maneira de fazer as coisas em prática, é preciso investir na automação dos processos.

Também é fundamental tornar a gestão mais orientada por dados. Ou seja, dar aos colaboradores e gestores meios de coletar, processar e analisar dados para tomar decisões eficientes e em tempo hábil.

Entre as soluções que ajudam a tornar a logística expressa uma realidade em atacadistas distribuidores, temos o roteirizador e aplicações de monitoramento das entregas.

→ Por que a roteirização logística é essencial na distribuidora? Clique aqui e descubra!

Coloque os gestores na mesma página

As lideranças de logística precisam aderir a essa nova forma de trabalho antes que todos. Elas devem “patrocinar” essa nova ideia e, para isso, devem se convencer de dois pontos: 1) é possível ter uma logística expressa na empresa; 2) teremos condições de fazer isso, pois podemos investir e reformular o que praticamos até então.

Em muitos casos, é preciso que os líderes busquem cursos, capacitações, benchmarking para aprender o que devem fazer, desenvolver novas habilidades etc. Com isso, estarão preparados para conquistar suas equipes para a nova ideia.

Treine o time

Por fim, realizados todos os ajustes, é preciso treinar o time. Em muitos aspectos, serão necessárias atividades totalmente diferentes do que se faz atualmente.

E um ponto muito importante: faça a mudança gradualmente, conquistando as pessoas para que elas não resistam e não boicotem as modificações. Mostre os benefícios, engaje, ouça os feedbacks, enfim, faça com que o time participe da mudança.

→ Confira também a gravação do MáximaCast, o podcast da Máxima Tech, onde nossos especialistas trouxeram dicas sobre como realizar uma gestão de estoque logístico eficiente durante a pandemia!

Conclusão

Como vimos, a logística expressa é uma necessidade latente no mercado atual. Mesmo que as empresas não se deem conta, elas já participam desse movimento de alguma maneira. Aquelas que tornam essa realidade uma estratégia têm mais chances de obter sucesso.

Podemos dizer que dois grandes pilares devem ser erguidos para alcançar a logística expressa em atacadistas distribuidores. O primeiro deles é a conscientização da equipe, seguida de ações para capacitação; o segundo, é o investimento em tecnologia para amparar a agilidade dos processos, mantendo sempre a qualidade — melhorando-a gradualmente, na verdade.

Que tal, a logística expressa já é uma realidade em sua empresa? Gostou da reflexão que trouxemos neste texto? Deixe seu comentário!

Willian Gabriel
Últimos posts por Willian Gabriel (exibir todos)