cross docking

Em vez de ler, que tal ouvir?

Agilidade é um ponto central quando falamos de entrega de produto. Garantir velocidade e eficiência, porém, exige um processo logístico muito bem estruturado e que consiga se adaptar aos demais processos e demandas do atacado distribuidor. Um sistema de distribuição de mercadorias que vem tendo destaque na gestão logística é o chamado cross docking. Você já ouviu falar sobre essa estratégia?

Sabemos que não existe uma única fórmula pronta e que sirva para toda logística. A forma como o armazenamento, estoque, transporte e outros processos ocorrem influenciará e ajustará sua estratégia. Da mesma maneira, existem modelos diversos de gestão de logística, com seus desafios e objetivos específicos.

Assim, é importante saber avaliar as vantagens da operação que podem trazer melhores resultados para sua empresa, seus centros de distribuição, para a equipe como um todo e, claro, para seu cliente.

Pensando nisso, hoje falaremos mais sobre o cross docking e quais são seus benefícios para o atacado distribuidor. Acompanhe a leitura e descubra mais sobre porque essa tem se tornado a opção escolhida por tantas empresas.

O que é cross docking?

Atuando rotineiramente com logística, você deve saber que há muito a ser considerado antes mesmo do transporte da carga, certo? É preciso que haja uma metodologia aplicada de forma inteligente para que a estocagem possa garantir uma boa separação e envio dos produtos. O cross docking – também chamado de “operação de tombo” – surge para auxiliar essa etapa em sua cadeia de suprimentos.

A origem do cross docking remonta ao final do século XIX, quando as USPS (o Serviço Postal Americano) sofriam um problema com o aumento do envio de correspondências. Para agilizar o processo, foram criadas estações de retransmissão, para que as cartas fossem transferidas. A evolução dessas estações é, hoje, o que podemos categorizar como uma operação cross docking.

No estoque, temos um grande custo de manutenção de espaço. Lidamos com produtos físicos, e isso envolve lidar também com variáveis que possam se escalar de acordo com a demanda. Portanto, é necessário que o depósito ou armazém possa alocar a quantidade ideal de estoque para atender ao mercado. Mas como se prevê essa demanda nos dias de hoje?

Vemos que a estimativa de se manter um estoque, especialmente em tempos modernos, não tem uma previsibilidade de maior acurácia. E, em alguns casos, a estimativa do consumo de um produto em um determinado período pode prejudicar a operação, aumentando os gastos. Com a metodologia de cross docking, passamos a utilizar uma distribuição imediata, no momento do pedido.

Dessa maneira, o cross docking é uma estratégia de atendimento de pedidos que elimina o armazenamento de mercadorias em estágio intermediário. Bem gerenciado, permite agilizar a coleta e o despacho das mercadorias, reduzindo custos operacionais.

No sistema de cross docking, o remanejamento da mercadoria é feito sem a necessidade de um armazenamento. Isso pode ser realizado com uma operação de carretas interna de sua organização ou de fornecedores. A partir disso, a separação é realizada por meio da movimentação e combinação de cargas. Ou seja, a área de expedição recebe quantidades otimizadas dessa carga.

→ Além do cross docking, outra estratégia logística importante atualmente é a logística lean. Saiba mais sobre ela no artigo: O que é logística lean e como você pode aplicar em seu atacado distribuidor.

Como é o funcionamento do cross docking?

O cross docking, como mencionado, faz um remanejamento da mercadoria para que não seja necessário um elevado investimento no armazenamento desses itens. Se você já está familiarizado com o conceito de JIT (just in time), pode notar que existem muitas intersecções e elementos semelhantes. Afinal, ambos buscam otimizar o tempo de processos e manter a integridade da qualidade dos produtos.

Então, para compreender melhor o funcionamento do cross docking, vamos analisar como cada uma de suas categorias podem ser modificadas de acordo com a demanda de sua operação de distribuição:

Quantidade de toques na mercadoria

Cada vez que o caminhão chega em um ponto de transferência de seu destino, ele é considerado um stage – ou um toque. Processos em que é possível ter uma única transferência para o caminhão de entrega são conhecidos como one-touch cross docking (cross docking com toque único). No entanto, é possível que existam mais áreas nas quais o toque na mercadoria será feito – tais como seleção, empacotamento, etc.

Na área de logística de entrega, é importante manter um monitoramento desses stages, garantindo, assim, que a cadeia de suprimento economize tempo e possa despachar a mercadoria no tempo ideal.

→ Para saber mais sobre como potencializar sua logística de entrega, confira o guia que preparamos: Passo a passo de como organizar a sua logística de distribuição.

Tipos de alocação

A forma como a alocação de cargas se difere dependerá da etapa em que a mercadoria será identificada. É possível fazer isso antes ou depois da distribuição.

Na pré-distribuição, a etiquetagem das mercadorias já é realizada a partir do momento em que saem do fornecedor. Por sua vez, na pós-distribuição, a alocação das cargas é feita no terminal, antes da carga ser levada até a transportadora.

Movimentação no armazenamento

Considerando que o cross docking agiliza o armazenamento, podemos classificar a movimentação das mercadorias como contínua, híbrida e de distribuição. O que isso quer dizer? Veja só:

  • Na movimentação contínua, as mercadorias são expedidas a partir do ponto em que os itens estão em poder do fornecedor. Os modelos de logística que implementam o cross docking, comumente, utilizarão a movimentação contínua no armazenamento. Note que essa categoria só funciona com um único stage de mercadoria.
  • Em uma movimentação híbrida, os produtos vindos dos fornecedores terão sua parte separada entre estoque e entrega ao cliente final. Ou seja, trata-se de um modelo que une o cross docking ao modelo de gestão tradicional de logística.
  • Por fim, no modelo de distribuição, as cargas preenchem todo o espaço do transporte, direto para o envio. Caso você tenha uma operação exclusivamente focada no segmento B2B e em grandes volumes na sua operação de atacado, essa pode ser a categoria de armazenamento mais indicada para seu cross docking.

Vantagens do cross docking para distribuidoras

Como vimos, o cross docking objetiva reduzir o tempo de permanência da mercadoria, despachando-a o mais rápido possível para a área de picking ou para o carregamento dos veículos de entrega.

A partir disso, é fácil já começar a imaginar algumas das possíveis vantagens em se adotar esta metodologia, não é mesmo? Com a adoção do método de cross docking em sua gestão de logística, você pode:

Reduzir custos no estoque

Eliminando parte do estoque, sua gestão ganha liberdade para investir na agilidade dos stages de sua cadeia de suprimento. Isso diminui custos de manutenção e armazenamento e permite que suas entradas e saídas sejam distribuídas de forma mais ágil.

Ganhar rapidez nos centros de distribuição

Como a estocagem foi minimizada, o cross docking faz com que o centro de distribuição de sua operação possa fazer o preparo e envio do produto. Com isso, você ganha uma rapidez na entrega da mercadoria para o cliente de seu negócio, o que, consequentemente, gera oportunidades de fidelização e maior alcance na captação de novos clientes.

→ Para saber mais sobre como melhorar sua logística de entrega, confira as dicas deste vídeo:

Ter economia com espaço de armazenamento

Embora uma área deva ser reservada no armazém alocada para controlar e condicionar a entrada de mercadorias, o cross docking libera espaço de armazenamento central. A economia de custo de estoque é um benefício vinculado a esse ponto.

Ganhar produtividade e reduzir risco de danos às mercadorias

Com o cross docking, o número de operações e o manuseio de cargas são reduzidos: descarga, controle de qualidade, acondicionamento de pedidos e expedição de mercadorias são mantidos, mas tarefas intermediárias, como separação e armazenamento, desaparecem.

Isso significa menos risco de danificar a mercadoria, pois o manuseio e o transporte dentro do seu armazém são reduzidos. Além disso, uma vantagem relacionada é o aumento da produtividade de cada operador.

Poder atender demandas sob medida

No cross docking, o papel da gestão deixa de, entre outras coisas, estar centrado em manter o estoque de acordo com a demanda. Da mesma forma, previsões de demanda tornam-se mais flexíveis e mercadorias mais sazonais podem ganhar maior liquidez em todo o processo.

Ter uma rede mais integrada e maior poder de monitoramento

Como o gerenciamento já supre a demanda de sua logística, é possível investir em uma rede de transporte e equipamento que integre melhor todos seus parceiros, organizando o fluxo das mercadorias e obtendo maior poder de controle em todas as etapas dessa operação.

Desenvolver uma operação mais sustentável

O cross docking ajuda a reduzir a pegada de carbono da cadeia de abastecimento. Isso porque ele leva à economia de combustível em termos de transporte de mercadorias e com energia elétrica utilizada em estoque. Isso permite que uma cadeia de abastecimento mais sustentável seja possível.

Elevar a satisfação do cliente

A redução das necessidades de manuseio de mercadorias leva diretamente à economia de custos de mão de obra associada a essas atividades. Isso permite que sua distribuidora repasse a economia aos clientes, proporcionando vantagem competitiva adicional relacionada ao custo.

Com a economia de custos, o aumento da qualidade do produto entregue sem danos e os tempos de entrega reduzidos devido ao cross docking, há diversos fatores para impulsionar a satisfação de seu cliente. E isso ajudará a reter os clientes atuais e a obter participação de mercado adicional.

Outras vantagens em potencial são:

  • Redução do manuseio de materiais;
  • Diminuição da necessidade de armazenar produtos e de ter grandes áreas destinadas a isso;
  • O transporte tem mais cargas para cada viagem, portanto, é comum ter uma economia nos custos logísticos de transporte;
  • Eliminação de processos como “local de coleta” e “coleta de pedidos”, tornando os processos logísticos mais enxutos;
  • Os terminais de cross docking são mais baratos de construir do que um armazém comum;
  • Alta rotatividade de produtos com tudo movendo-se rapidamente pelo terminal de cross docking;
  • Produtos destinados a um ponto final semelhante podem ser transportados como uma carga completa, reduzindo o custo geral de distribuição.

Como implementar o cross docking em sua logística de entrega

Primeiramente, para a implementação do cross docking, é preciso avaliar sua estrutura de logística e identificar um sistema que seja eficaz em organizar todas as trocas e realizar os toques de forma inteligente. Isso exigirá, também, coordenação entre as equipes e parceiros.

→ Na hora de implementar o cross docking, evite alguns erros comuns! Descubra mais sobre eles neste artigo: 8 principais erros de logística do atacado distribuidor e como solucionar.

É preciso também conhecer a fundo os gastos de sua operação logística. Seus custos de aquisição são menores que os custos de armazenamento? Se sim, o cross docking pode ser a solução.

→ Descubra mais sobre o custo logístico neste vídeo:

É recomendado, ainda, que se invista em um sistema de controle de dados e processos, o chamado ERP (Enterprise Resource Planning). Assim, será possível centralizar suas atividades, realizar controles e não deixar nenhum dado importante fora do radar do processo decisório.

A partir daí, a cadeia de suprimentos, com fornecedores e centros de distribuição, pode informar em tempo real dados e relatórios de seu fluxo, poupando qualquer retrabalho e diminuindo a margem de erro.

Por fim, é preciso entender que o cross docking transforma os processos da empresa, e sua equipe precisará estar capacitada e adaptada para esse modelo. Dessa maneira, considere reservar um período para que seu time interno possa se adaptar e ser capacitado para esse novo formato e para que os clientes possam, gradualmente, perceber os efeitos dessa mudança.

E então, o que você achou das vantagens do cross docking para o atacado distribuidor? Já cogitou utilizar essa alternativa em sua gestão logística? Conte para a gente nos comentários.