efeito chicote na cadeia de suprimentos

Em vez de ler, que tal ouvir?

Você já ouviu falar no efeito chicote na cadeia de suprimentos? Este conceito, basicamente, descreve como pequenas flutuações na demanda no nível do varejo podem causar flutuações progressivamente maiores na demanda nos níveis de atacado, distribuidor, fabricante e fornecedor de matéria-prima.

Mas, essa explicação não abarca toda a problemática. Por isso, resolvemos trazer neste artigo uma reflexão mais aprofundada.

Continue lendo para entender como o efeito chicote na cadeia de suprimentos impacta os negócios e a logística de entrega!

Efeito chicote na cadeia de suprimentos: por que é importante compreendê-lo

O efeito chicote geralmente ocorre quando os varejistas se tornam altamente reativos à demanda e, por sua vez, amplificam as expectativas em torno dela, o que causa um efeito dominó ao longo da cadeia de abastecimento.

Suponha, por exemplo, que um varejista normalmente mantenha 100 embalagens de seis unidades de uma marca de refrigerante em estoque. Se normalmente vende 20 embalagens por dia, ela pedirá essa quantidade de reposição do distribuidor. Mas um dia, o varejista vende 70 embalagens e presume que os clientes começarão a comprar mais produtos e responde pedindo 100 embalagens para atender a essa demanda mais alta prevista.

O distribuidor pode então responder pedindo um pacote duplo ou 200 embalagens do fabricante para garantir que eles não acabem. O fabricante, então, produz 250 embalagens para garantir a segurança. No final, o aumento da demanda foi ampliado na cadeia de suprimentos de 100 embalagens no nível do cliente para 250 no fabricante.

Este exemplo, apesar de bastante simplificado, transmite a sensação de desalinhamento crescente conforme as ações e reações continuam para cima e para baixo na cadeia. Ele ilustra o nome do efeito, que vem da física envolvida em estalar um chicote. Quando a pessoa que segura o aparato move o pulso, o movimento relativamente pequeno faz com que os padrões de onda se amplifiquem cada vez mais em uma reação em cadeia.

Efeito chicote na cadeia de suprimentos: por que ele acontece

Muitas empresas preveem a demanda do cliente com base em informações insuficientes, normalmente sem levar em consideração os fatores complexos que permitem que essa quantidade seja entregue corretamente e no prazo.

Em cada estágio da cadeia de suprimentos, há possíveis flutuações e interrupções, que por sua vez influenciam os inúmeros pedidos dos fornecedores. As mudanças na demanda influenciam diretamente todos os outros fatores ao longo da cadeia, incluindo o estoque.

No entanto, o efeito chicote pode ocorrer mesmo em mercados relativamente estáveis, onde a demanda é essencialmente constante.

Prever a demanda sempre foi uma tarefa difícil, e a crescente complexidade das cadeias de suprimentos globais de hoje intensifica essa dificuldade — assim como o aumento da preferência do consumidor por compras omnicanal (na loja física, no e-commerce, via telefone etc.).

As causas mais comuns do efeito chicote na cadeia de suprimentos são:

  • problemas de prazo de entrega;

  • decisões abaixo do ideal tomadas pelas partes interessadas em qualquer ponto da cadeia de abastecimento — por exemplo, atendimento ao cliente ou transporte;

  • falta de comunicação e alinhamento entre cada elo ou organização das partes interessadas na cadeia;

  • reação exagerada ou insuficiente às expectativas da demanda, como pedir muitas unidades ou fazer um pedido menor que o suficiente;

  • empresas clientes, muitas vezes varejistas, esperando até que os pedidos se acumulem antes de fazer pedidos aos seus fornecedores — prática chamada lote de pedidos;

  • descontos, alterações de custo e outras variações de preço que interrompem os padrões regulares de compra;

  • previsões imprecisas ou excesso de confiança na demanda histórica para prever a procura futura etc.

Algumas dessas causas merecem um detalhamento maior. Confira nos tópicos que seguem!

Previsão de demanda incorreta

A maioria dos problemas se resumem à previsão de demanda incorreta. É um desafio tentar antevê-la ao mesmo tempo em que leva em consideração todos os fatores complexos que envolvem a entrega do produto certo, na hora certa e nos lugares certos.

Sempre haverá flutuações e interrupções — algumas esperadas e outras não — que afetarão a cadeia de suprimentos, especialmente à medida que o processo de logística se torna mais global e as compras se movem para a web.

A previsão é um desafio para muitos varejistas, distribuidores e fabricantes, mesmo em mercados relativamente estáveis. Quando incorreta, ela acaba levando a muitos jogos de adivinhação que podem desencadear o efeito chicote na cadeia de suprimentos.

→ Leia também: O que você precisa saber sobre gestão de entregas?

Falta de comunicação

Uma falha na comunicação é uma das principais causas do efeito chicote na cadeia de suprimentos. Por exemplo, dois gerentes no mesmo varejista podem identificar a demanda de maneira diferente e, assim, pedir quantidades diferentes ao atacadista.

Ou o varejista pode não explicar o aumento da demanda ao seu distribuidor, de modo que este não sabe a permanência (ou a falta dela) das novas quantidades de produção industrial que deveria solicitar.

É, portanto, fundamental que haja um forte alinhamento entre todas as partes interessadas ao longo da cadeia de abastecimento para minimizar perdas e ineficiências.

Encomendas em lote

O “lote” ocorre quando os varejistas esperam até que os pedidos se acumulem antes de fazer uma nova solicitação ao fornecedor. Os parceiros da cadeia de suprimentos então arredondam para cima ou para baixo com base em suas necessidades.

Por exemplo, eles podem arredondar para baixo se tiverem restrições de equipamento, ou podem arredondar para cima se quiserem um buffer de estoque no caso de verificações de qualidade do produto.

Quanto mais parceiros fizerem esse arredondamento e pedido em lote, mais distorcida será a quantidade de demanda original.

Flutuações de preço

Se um varejista estiver oferecendo um desconto ou negócio especial, isso pode interromper os padrões de compra por um curto período de tempo.

Essas flutuações podem alterar a aparência da demanda. Estas precisam ser planejadas com antecedência para minimizar a falta de estoque durante o período promocional, embora se reconheça que a procura provavelmente diminuirá novamente quando o evento terminar.

Isso se relaciona com o aspecto vital da comunicação ao longo da cadeia de suprimentos para garantir que cada parceiro saiba como é a demanda e por quê.

Pontos “cegos” na política de devolução

Políticas de devolução, principalmente devoluções gratuitas e logística reversa, também podem criar um efeito chicote amplificado.

Muitos consumidores de comércio eletrônico comprarão mais produtos do que precisam, como vários tamanhos do mesmo par de sapatos, para experimentá-los e enviá-los de volta.

Se os varejistas não considerarem apropriadamente essas compras e devoluções múltiplas, eles podem exagerar a demanda e acabar com o estoque excedente quando devolvido. E isso reverbera no atacadista que, por sua vez, também repassam o efeito chicote ao fabricante.

Efeito chicote na cadeia de suprimentos: como reduzir os danos

Até aqui, você já entendeu que é impossível neutralizar as possibilidades de ocorrência do efeito chicote na cadeia de suprimentos. Isso não significa que é impossível agir preventivamente, seja para reduzir a frequência quanto para minimizar os impactos quando o fenômeno é inevitável.

Confira, a seguir, algumas dicas bastante úteis!

Promova a comunicação e a colaboração da cadeia de suprimentos

É necessário um melhor alinhamento em torno das questões da cadeia de suprimentos dentro da empresa e entre clientes, fornecedores, distribuidores, manufatura e outros parceiros.

Em particular, quando os fornecedores trabalham para entender as necessidades do cliente, eles podem ajudar a reduzir o estoque excessivo. Portais de fornecedores e projetos, transações de intercâmbio eletrônico de dados e outros recursos de software de gerenciamento da cadeia de suprimentos podem ajudar.

Simplifique a cadeia de suprimentos

Reduzir o número de fornecedores e o número de camadas em sua cadeia de suprimentos pode facilitar uma melhor comunicação entre as equipes e diminuir a oscilação que cria o efeito chicote.

Utilizar a tecnologia de automação da cadeia de suprimentos ajuda a conectar todos os aspectos da cadeia de suprimentos e consolidar os canais de comunicação.

Use melhores ferramentas de previsão e visibilidade

Acompanhar os níveis de estoque, pedidos e demanda com software de gerenciamento de estoque leva a pedidos mais precisos, diminuindo o efeito chicote.

Uma ampla variedade de softwares ajuda a permitir previsões de demanda mais precisas e visibilidade do que está acontecendo ao longo da cadeia.

Isso inclui software de detecção de demanda, software de previsão, software de otimização de inventário e ferramentas analíticas (especialmente análises preditivas), conectividade de inteligência artificial e Internet das Coisas.

→ Leia também: Por que abandonar processos manuais no atacado?

Use uma abordagem orientada à demanda para gerenciamento da cadeia de suprimentos

Uma abordagem orientada pela demanda depende de um sistema tecnológico e processos coordenados para obter informações sobre as ocorrências da cadeia e reagir a elas rapidamente.

Este tipo de solução usa muitas das abordagens mencionadas acima, especialmente colaboração e comunicação, ampliando a visibilidade da cadeia para uma abordagem holística coordenada.

Organize a política de descontos

Manter um preço fixo mesmo durante as flutuações do mercado diminui o efeito chicote, estimulando um fluxo regular de demanda do cliente.

Isso é mais efetivo (em termos de prevenção do efeito chicote) do que fazer alterações regulares na tabela de preços e trabalhar com muitos descontos nos pedidos para clientes diferentes.

Resumindo

Quando um parceiro da cadeia de suprimentos tem uma mudança na demanda ou pedido, isso pode criar um efeito cascata massivo no resto da cadeia. É como mover um chicote (daí o nome): embora o movimento do pulso seja pequeno, ele cria uma reação em cadeia amplificada.

Isso ocorre quando, na maioria das vezes, há uma mudança na demanda no nível do varejo. Essa mudança atrapalha todos os demais parceiros, incluindo distribuidores, atacadistas, fabricantes e fornecedores de matéria-prima, que também passam a trabalhar para atender a essa nova demanda.

Se bem não é possível anular totalmente a possibilidade de ocorrência do efeito chicote, é sim bastante viável reduzir as vezes que ele acontece ou a intensidade de seus danos. Conforme vimos neste artigo, as melhores práticas abrangem melhorias na comunicação, uso estratégico da tecnologia, entre outras.

gestão de armazém